terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Ultrassom Cavitacional


Para aqueles que ainda não conhecem, apresento mais uma opção para atingir em cheio as células responsáveis pela formação das temidas gordurinhas localizadas. Um novo sistema foi desenvolvido para tornar o uso do já conhecido ultrassom estético muito mais eficiente. De maneira indolor, o ultrassom cavitacional forma bolhas de ar para romper a gordura em forma de líquido, sendo eliminada pelo sistema linfático.   
O procedimento não invasivo faz sucesso entre as mulheres em busca de delinear a silhueta, pois apresenta resultados positivos em aproximadamente oito sessões de 30 minutos cada. Apesar da semelhança com o aparelho tradicional, a novidade se diferencia pelo alto poder de penetração na pele.
O ultrassom cavitacional tem a frequência mais alta, por isso vai fundo nas células de gordura, diferente do método convencional que apenas faz a quebra do que está na superfície. Como o comprimento das ondas ultrassônicas é maior, a gordura forma bolhas dentro da célula, a partir da vibração, provocando seu rompimento.
Na técnica, primeiro é aplicado um gel condutor nas regiões com gordura localizada para que o aparelho de alta potência faça a penetração ultrassônica. Logo após isso, o equipamento é direcionado para as regiões afetadas como abdômen, glúteos e culotes.
Nesta etapa é que são formadas as bolhas de ar, responsáveis por aumentar o volume das células adiposas. Ao alcançarem um tamanho ideal, essas células se rompem, liberando gordura em forma de líquido, que é, por fim, drenado e eliminado pelo sistema linfático. O tratamento faz a lipólise, como se fossem micro furinhos na célula de gordura facilitando sua quebra e diminuindo o volume do tecido gorduroso. 


Recomendações:

Apesar de a novidade prometer o fim das gordurinhas em pouco tempo, o indivíduo deve ter, no máximo, seis centímetros de camada adiposa em cada região a ser tratada. 
Para ter o efeito desejado, o tratamento precisa ser realizado semanalmente. Mas atenção: mulheres grávidas não podem fazer uso do procedimento e pacientes que estiverem sendo tratadas pelo ultrassom têm que fazer exames de colesterol periodicamente, pois a técnica pode aumentar o nível da gordura no sangue.

Abraços

Dra. Viviane Cândida


Nenhum comentário:

Postar um comentário